Monge budista salva 8 mil cães de serem sacrificados

“Deixa eu cortar seu pelo, fofinho”, diz com carinho Zhi Xiang a um cão de rua de pelos longos e molhado pela chuva, que ele acaba de pegar no canil de Xangai.

Zhi Xiang (se pronuncia Djeu Siang), 51 anos, é um amante dos animais e usa o budismo ao serviço do melhor amigo do homem.

Duas vezes por semana, ele vai ao canil onde a polícia amontoa os cachorros de rua. O monge leva todos eles, ou seja, cem sobreviventes de cada vez.

Ele cuida de quase 8 mil cães no seu templo e num abrigo dos subúrbios da maior cidade da China, onde a mudança do estilo de vida trouxe consigo o abandono dos animais.

Sem a intervenção do monge, os animais do canil seriam sacrificados.

“Tenho que resgatá-los porque, se não fizer isso, tenho certeza que morrerão”, explica ele. O budismo obriga os fiéis a ajudarem as criaturas que precisam.

Obedecendo à regra, Zhi Xiang pega animais de rua desde 1994.

“Não é culpa das pessoas que não gostam de cachorros, nem do Estado: é culpa dos chamados ‘amigos dos animais’ que não sabem cuidar deles”, lamenta o monge.

Sob o olhar de Buda

As estatísticas falam por si só: a imprensa chinesa calculou, em 2019, que o país mais populoso do mundo possuía 50 milhões de animais de rua – um número que dobra a cada ano.

Com o enriquecimento da população, o mercado de animais de estimação disparou e as lojas vendem cachorros de raça pura a preços altos nas grandes cidades.

Alguns terminam na rua, onde se reproduzem muito rápido, aumentando o número de cachorros de rua em Xangai.

No seu templo de Bao’en, Zhi Xiang cuida de centenas de cães, mas também de gatos, galinhas, gansos e pavões, sob os olhos dourados de budas e no meio a um cheiro de incenso que se mistura com o dos animais.

Os mais sortudos encontrarão novos donos, mas cerca de um terço de seus hóspedes morrem por doenças antes de poderem sair do abrigo.

O monge levanta-se às quatro da manhã todos os dias para cuidar deles. Não cobra ajuda pública e sobrevive graças à generosidade dos fiéis, entre eles os seus pais.

Para financiar a compra de 60 toneladas de ração para cachorros todo mês, ele gasta mais de 12 milhões de yuanes (260 mil euros, 310 mil dólares) por ano.

“O problema é que não posso mais pedir emprestado”, admite.

Desde 2019, o monge conseguiu enviar cerca de 300 cães para abrigos em outros países, da Europa ou da América do Norte.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s